sexta-feira, 19 de abril de 2013

Índio e literatura


 " A feição deles é serem pardos, maneira de avermelhados, de bons rostos e bons narizes, bem feitos. Andam nus, sem cobertuda alguma. Não fazem o menor caso de encobrir ou de mostrar suas vergonhas; e nisso têm tanta inocência como em mostrar o rosto (...)"  Pero Vaz de Caminha

A primeira missa no Brasil - Victor Meirelles (1861)

Hoje é Dia do Índio (19 de abril) e a CLL preparou essa pequena homenagem:

O dia nacional do Índio foi instituído políticamente pelo presidente Getúlio Vargas no ano de 1943, em homenagem à data em que várias lideranças indígenas do continente participaram do Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, no México. 

Diversos autores da literatura brasileria tentaram resgastar o Índio, sua cultura e história, sobretudo José de Alencar e Gonçalves Dias.

O Guarani, livro de José de Alencar, possui caráter indianista, com forte valorização da figura indígena. Através da história de amor entre Peri (índio) e Ceci contempla também o tema da miscigenação e identidade nacional.

 "Álvaro fitou no índio um olhar admirado. Onde é que este selvagem sem cultura aprendera a poesia simples, mas graciosa; onde bebera a delicadeza de sensibilidade que dificilmente se encontra num coração gasto pelo atrito da sociedade? A cena que se desenrolava a seus olhos respondeu-lhe; a natureza brasileira, tão rica e brilhante, era a imagem que produzia aquele espírito virgem, como o espelho das águas reflete o azul do céu." Trecho de O Guarani, de José de Alencar.

 I Juca Pirama, poema que faz parte obra Últimos cantos, escrito por Gonçalves Dias. O poema possibilita uma visão mais intimista do povo indígena, costumes e ambiente. Neste é narrada a história de um corajoso guerreiro tupi que foi aprisionado pelos índios timbiras e a honra que o conflito envolvia.

Meu canto de morte,

Guerreiros, ouvi:
Sou filho das selvas,
Nas selvas cresci;
Guerreiros, descendo
Da tribo tupi.

Da tribo pujante,
Que agora anda errante
Por fado inconstante,
Guerreiros, nasci;
Sou bravo, sou forte,
Sou filho do Norte;
Meu canto de morte,
Guerreiros, ouvi.

Trecho de I-Juca Pirama, de Gonçalves Dias.

Tanto O Guarani, de José de Alencar, como I-Juca Pirama, de Gonçalves Dias, estão disponíveis para a retirada na Biblioteca Municipal Josué Guimarães (Avenida Erico Verissimo, 307 - Menino Deus, Porto Alegre).

De Segunda à Sexta-Feira, das 09:00 às 17:00 horas.
Sábado, das 14:00 às 18:00 horas.




Um comentário:

  1. VENHA FAZER PARTE DO GRUPO DA ACADEMIA MACHADENSE DE LETRAS (FACEBOOK). PUBLIQUE SEUS POEMAS, CONTOS, CRÔNICAS, FOTOGRAFIAS, SUGESTÕES DE LIVROS, PEÇAS DE TEATRO, FILMES...TODO CONTEÚDO CULTURA.
    ACESSE O LINK E CLIQUE NA OPÇÃO (SEGUIR/PARTICIPAR DO GRUPO). DEPOIS É SÓ PUBLICAR SEUS TEXTOS COM OU SEM FOTOS.
    https://www.facebook.com/groups/149884331847903/

    ResponderExcluir