terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Prêmio Açorianos: Jerusalém


Jerusalém (Record, 2011), do jornalista, escritor e fotórafo Airton Ortiz, é finalista do Prêmio Açorianos de Literatura 2012 na categoria Crônica. Esse é o seu segundo título da série Expedições Urbanas indicado ao prêmio na categoria. No ano de 2011, Ortiz foi finalista com o livro Havana, também editado pela Record.

As crônicas de Airton Ortiz concorrem ao prêmio ao lado de Borralheiro: minha viagem pela casa, de Fabrício Carpinejar, e Nas coxias do poder, de Ricardo Giuliani Neto. Com um estilo bem-humorado de narrar as histórias da Cidade Sagrada, o autor não tem como intenção discutir sobre a cultura, a história ou sobre as três religiões que disputam o território santo. Seu foco são as personalidades que o habitam e, nele, suas ações.

As múltiplas caras da cidade de Jerusalém, como diz o cronista, são percebidas em uma curta caminhada, e é nelas que ele busca a tão falada (ou escrita) matéria narrativa:

As lojas fechadas na sexta-feira pertencem aos islâmicos, as lojas fechadas no sábado aos judeus e as lojas fechadas no domingo aos cristãos. Uma simples caminhada pelas ruelas do mercado e se descobre a religião dos comerciantes.

Os muçulmanos param cinco vezes ao dia para rezar, atendendo ao chamado das mesquitas. Nesses momentos apagam as luzes, deixando a loja no escuro. Dirigem-se ao fundo e fazem suas orações. Terminada a prece, acendem as luzes e continuam vendendo suas quinquilharias a quem se interessar.

Alá é grande, os lucros também.
(trecho da crônica "Mercado de Jerusalém")

Nenhum comentário:

Postar um comentário