quinta-feira, 2 de junho de 2011

Sobre A Consciência de Zeno


O professor Antônio Sanseverino antecipa o assunto do próximo sábado, apresentando os principais tópicos de sua fala e respondendo à questão:



Cll - Qual a importância da obra A Consciência de Zeno, publicada em 1923, para os leitores da atualidade?

Antônio Sanseverino - A Consciência de Zeno pode ser interpretada a partir de três chaves de leitura. Uma delas estaria na questão do narrador, em primeira pessoa, que à semelhança do narrador das Memórias Póstumas de Brás Cubas, com as análises pessoais de suas próprias memórias, não é confiável.
Além disso, existe a questão da confiança na relação entre o protagonista, um velho em processo de análise psicanalítica, e seu terapeuta, que decide publicar as memórias do paciente. Neste ponto, em uma comparação entre a ética médica e a ética religiosa da confissão católica, pode-se analisar a violação desta confiança.
Uma terceira possibilidade de leitura da obra, que à época do lançamento foi efusivamente recomendada por James Joyce, estaria na manifestação da consciência de um mundo que acabou – principalmente com o final da Primeira Guerra Mundial – no questionamento quanto às noções de sanidade e loucura, e na análise e exposição ao ridículo dos valores da moral burguesa.
Em todos esses aspectos, podemos perceber ligações entre as angústias do protagonista e as próprias angústias de nossa vida moderna.

Para saber mais sobre esta obra, elencada entre os Livros que Abalaram o Mundo, não perca o segundo dia de evento, no próximo sábado, às 9h, no Teatro Renascença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário