quarta-feira, 13 de julho de 2016

5 livros rock n' roll

No Dia Mundial do Rock, resolvemos listar algumas obras que, cada qual à sua forma, representam literariamente o que o rock n' roll é para a música. Trata-se de uma modesta seleção, que privilegia livros conhecidos e deixa de fora uma vasta produção contemporânea que subverte padrões (como o bom rock), mas é o risco que se corre em qualquer recorte - e este é um microrrecorte:

On the road - Jack Kerouac
*Disponível nas bibliotecas públicas do município

Lançado em 1957, o mais célebre ícone da literatura beat ditou os rumos tortos de muitas vidas adolescentes dentro e fora dos Estados Unidos. A narrativa alucinante de Kerouac - que, drogado, escreveu o original em um rolo de papel higiênico - prefigura a incontinência formal do rock n' roll. As viagens e caronas de Sal Paradise pelo território estadunidense envolvem filosofia barata, deslumbramento com a efervescência do jazz, indiferença diante do futuro e do dinheiro, desprezo pela política e pela sociedade organizada, enfim, rock o suficiente para influenciar gerações inteiras de músicos.



O Senhor dos Anéis - J. R. R. Tolkien
*Disponível nas bibliotecas públicas do município

Se os cânones tratam de deixar a trilogia de Tolkien nos inglórios patamares da subliteratura (ou da literatura infanto-juvenil), há um grupo de admiradores apaixonados que eternizou o legado do inglês: jogos de RPG, heavy metal, cabelos cumpridos, exaltação de heroísmo épico, medievalismo, batalhas e dragões e espadas e relâmpagos e monstros... De onde você acha que saiu tudo isso?


Misto-quente - Charles Bukowski
*Disponível na Biblioteca Pública Municipal Josué Guimarães

Se Kerouac foi a voz dos hipsters dos anos 60 e 70, Bukowski foi, antes e depois disso, o silêncio ébrio das gerações desencaminhadas. O comportamento despretensioso e errante de Henry Chinaski, alter-ego do escritor, sintetiza o espírito que fez surgir o rock. Vagabundo, bêbado, atormentado, desajustado na sociedade e na família - o ódio pelo pai remete a Dimitri Karamazov, personagem de Dostoievski -, Chinaski é uma ilha de desprezo, solitário em uma amargura alimentada pela rejeição (espinhas monstruosas lhe faziam alvo de chacotas e lhe afastavam das garotas) e por um olhar impiedoso sobre o caráter alheio. Adotando a simplicidade como forma (o que não significa, em absoluto, pobreza literária) e a degradação como substância, Bukowski não passou despercebido pelos grandes do rock: bandas como Pearl Jam, Red Hot Chili Peppers e Anthrax estão entre as que já lhe prestaram tributos.


O Corvo - Edgar Allan Poe

Ok, Tolkien é responsável pelos dragões e espadas, mas Poe (e diversos poetas românticos), muito antes dele, apresentou aos leitores o breu. Neste poema bastante musical - não haveria o menor esforço para encaixar a rima e a métrica de O Corvo em uma melodia -, o autor encontra um de seus momentos mais soturnos ao escancarar a inevitabilidade da morte. Essa atmosfera sombria seria replicada mais de um século depois, na década de 1980, tanto pelo shoegaze (My Bloody Valentine, The Jesus and Mary Chain, etc.) quanto pelo post-punk (The Cure, Echo & The Bunnymen, Joy Division, etc.). Os desdobramentos musicais e estéticos fazem da obra de Poe (não apenas O Corvo, evidentemente) uma influência literária definitiva sobre o rock.


Mate-me por favor - Larry "Legs" McNeil e Gilliam McCain

Eis a ultrassonografia de um feto rebelde: o punk. McNeil e McCain mergulham nesse período de gestação e coletam relatos orais que descrevem, passo a passo, os ingredientes adicionados a uma bomba prestes a explodir. É mais uma compilação do que houve de melhor no (pré-)movimento do que uma obra com qualquer valor literário. A importância é de caráter histórico, e nenhum chute intra-uterino foi negligenciado: Velvet Underground, The Stooges, Television, Andy Warhol, Patti Smith, MC5... até o nascimento de um bebê feio que "don't wanna grow up": Ramones e Sex Pistols.

---
Que livros você acrescentaria aqui? Que autores brasileiros também enchem suas páginas do mais genuíno espírito do rock n' roll?

Nenhum comentário:

Postar um comentário