segunda-feira, 1 de julho de 2013

Chute na Estante - Fim das coisas velhas


 Marco de Menezes é natural de Uruguaiana, mas vive há mais de vinte anos em Caxias do Sul. Além de médico, editor, poeta, também é cronista do jornal Pioneiro, onde escreve todo sábado.
Marco venceu, com Fim das coisas velhas, o Prêmio Açorianos de 2010, nas categorias Livro do Ano e Melhor Livro de Poesia. Até então, nenhum outro livro de poesia havia ganhado como Livro do Ano, em dezesseis edições da premiação.
Em 2011, foi o vigésimo sétimo patrono da Feira do Livro de Caxias do Sul.

Além de Fim das coisas velhas, Marco tem mais três publicações: As Horas Dragas (1999), Pés de Aragem (2007) e Ode Paranoide (2010), que foi finalista do Açorianos, em 2011.

Abaixo, o poema “tardinha na terceira légua” retirado do livro Fim das coisas velhas:

“tardinha na terceira légua

para o claro sempre
há um nunca mais
entrevado ao ventre

abebera o azar
em barril comum
o beiral do azedo

para todo canto
trôpego cantor
furta voz de um outro

um caminho branco
em neblina envolto
já no passo ausente”


Fim das coisas velhas está disponível no acervo da Biblioteca Municipal Josué Guimarães (Av. Erico Verissimo, 307).

Nenhum comentário:

Postar um comentário