sexta-feira, 7 de junho de 2013

Chute na Estante - Morangos Mofados


O Chute na Estante de hoje revisita a obra Morangos Mofados, de Caio Fernando Abreu. Caio era natural de Santiago do Boqueirão, e morreu em Porto Alegre, em 1996. Na década de 70 teve de sair do Brasil, por causa da ditadura militar, e morou em Estocolmo e em Londres.

Além de Morangos Mofados, também na categoria de contos, escreveu Inventário do ir-remediável, O Ovo Apunhalado, Os Dragões não conhecem o Paraíso, Pedras de Calcutá. Apesar da maior parte da sua obra ser contos, também publicou romances, crônicas, novelas e peças teatrais. Seus únicos (mas não menos importantes) dois romances são: Limite Branco - que escreveu aos 19 anos – e Por Onde Andará Dulce Veiga. Morangos Mofados é dividido em três partes: O mofo; Os morangos; e Morangos mofados. Talvez este livro seja a obra mais conhecida de Caio, por conter contos memoráveis, como “Sargento García”, “O Dia que Júpiter encontrou Saturno”, “O dia em que Urano encontrou Escorpião” e “Eu, Tu, Ele”.

Caio era um grande frasista e trabalha muito bem os diálogos, a introspecção e o fluxo de consciência de seus personagens. Por isso, e também por seu ar contracultural, mas pop, é lembrado quase à exaustão nas redes sociais. Como, por exemplo, é o caso de um diálogo entre dois personagens do conto “O Dia que Júpiter encontrou Saturno”, que é efusivamente compartilhado pelo tumblr e facebook:
  
- Você tem um cigarro?
- Estou tentando parar de fumar.
- Eu também. Mas queria uma coisa nas mãos agora.
- Eu?
- Eu.

 
Debilitado pela HIV, Caio morreu em 25 de fevereiro de 1996, aos 47 anos, no Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre. É pleonasmo dizer que a obra de Caio vive e revive a cada leitura e a cada compartilhamento. Caio, não obstante, mantém-se jovem e cativa, como sempre cativou, a juventude: com seus anseios, angústias, encontros e desencontros, sonhos e esperanças.

Morangos Mofados e outros livros de Caio Fernando Abreu estão disponíveis no acervo da Biblioteca Municipal Josué Guimarães (Av. Erico Verissimo, 307).

Nenhum comentário:

Postar um comentário