sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Prêmio Açorianos: Continhos suspirados com poesia para depois das cinco

O título aparentemente grande, identifica: contos com poesia, um misto dos dois, mas que na verdade, são micro-histórias.  Histórinhas que formam imagens, experimentam da vida,  e, afinal, são marcadas pelo sentir. É isso: Continhos suspirados com poesia para depois das cinco, do escritor carioca Celso Sisto e ilustrações de Luiz Maia, é finalista do Prêmio Açorianos de Literatura 2012 na categoria Infanto-Juvenil.

O livro, uma reunião de 62 minicontos, explora diferentes temas, com um enfoque cotidiano para as relações familiares.Celso Sisto tenta compor numa linguagem enxuta e de extensão mínima, períodos que abarquem tempo, espaço e ação. Desde histórias do pai que só pensa no trabalho à mãe super-protetora que só pensa nos filhos, da menina mimada à filha esquecida, há - nas entrelinhas das histórias de Sisto- a vivência de pessoas que são suprimidas pela rotina, engolidas pelo cotidiano e pela mesmice.

A linguagem poética carrega consigo histórias doloridas, verdades que doem. A sintaxe, as frases e orações são trabalhadas, entrelaçadas, de maneira a explorar a capacidade de síntese do escritor, que na verdade, nada mais é que o olhar crítico da condição humana. Com a intenção de ser uma leitura do nosso tempo, os suspiros, ou minicontos, são de uma leitura rápida, mas não menos profunda. Boas histórias para qualquer hora do dia.

Celso Sisto nasceu no Rio de Janeiro em 1961. Escritor, ilustrador, contador de histórias do grupo Morandubetá (RJ), é também ator, artista-educador, crítico de literatura infantil e juvenil, já lançou 34 livros para crianças e jovens. Além disso, é especialista em literatura infantil e juvenil, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Nenhum comentário:

Postar um comentário