segunda-feira, 30 de julho de 2012

Andróides poéticos em desenho



Na aula final da oficina A palavra ilustrada, Gilmar Fraga propôs aos alunos exercícios práticos baseados no campo subjetivo da poesia. A primeira ilustração do dia partia dos poemas de Paulo Leminski, nos quais diversas imagens são evocadas - e é o esforço do ilustrador selecionar ou recriar as imagens evocadas pelas palavras em uma gravura.

A seguir, Fraga apresentou aos participantes exemplos de concept art: estudos de personagem ou de ambientes, veículos e realidades ficcionais que servem como base para diversos produtos culturais, como em cenários, ambientações, figurinos e casting de filmes e no design de games e animações. Entre os exemplos trazidos pelo ilustrador, estava o livro de concept art do clássico filme de ficção científica Blade Runner: o caçador de andróides. Foi a partir deste famoso monólogo do replicante Roy Batty que os alunos geraram suas ilustrações:

Eu vi coisas que vocês não acreditariam. Naves de ataque em fogo sobre o ombro de Órion. Eu vi raios-C cintilarem no escuro perto do Portão Tannhäuser. Todos estes momentos se perderão no tempo como lágrimas na chuva... Hora de morrer.

Os resultados variaram de cenários de ficção científica até charges sobre a convivência com robôs e uma leitura sci-fi de Guernica. O terceiro e final exercício do dia foi ilustrar uma parte da canção Lágrimas Negras, de Jorge Mautner, mas com um detalhe - sem desenhar lágrimas negras.

Ao final da oficina, Fraga demonstrou técnicas de desenhar com aquarela, retirando um estojo portátil com diversas cores e pintando algumas figuras para os alunos. Os participantes trocaram os e-mails para manter contato e trocar ideias, projetos e mostrar portfólios.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário