quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Retrospectiva Açorianos: 2003

Vencedor na categoria poesia: Antologia Poética, de Lara de Lemos (seleção e estudo crítico de Volnyr Santos)

Lara de Lemos nasceu em Porto Alegre em 1923. Ao longo de sua vida, além de poeta, foi tradutora, educadora e jornalista. Se diplomou em História, Geografia, Pedagogia, Jornalismo e Direito. Além disso, especializou-se em literatura inglesa no exterior. Foi Inspetora de Ensino Superior do Ministério de Educação e Cultura, e após, Técnica em Assuntos Educacionais. Lecionou História Geral no ensino público no Rio Grande do Sul e na Faculdade Cândido Mendes, no Rio de Janeiro, foi docente de Economia Política. Escreveu em jornais como o Correio do Povo, Última Hora, Jornal do Brasil, Tribuna de Imprensa, Suplemento Literário de Minais Gerais. Ativa na política de sua época, ajudou a escrever o Hino da Legalidade, em 1961 e durante o regime militar acabou sendo presa.

Órfã de pai e mãe, Lara foi criada pela avó no município de Caxias do Sul. Em 1944 casou-se com o primeiro marido, Ajadil de Lemos, estudante de direito, que viria a se separar em 1959. Em 1964, mudou-se para o Rio de Janeiro com seus quatro filhos, três deles resultantes de seu primeiro casamento e o último adotado por ela. Dois anos após, se casa com o jornalista e publicitário Mario de Almeida com quem permaneceu ao decorrer de sua vida.

Sua estreia como escritora ocorreu na Revista O Globo, em 1955. Nessa publicação, escrevia contos, entre os quais “Homem no Bar” e “Mulher Só”. Sua obra poética se iniciou com Poço das águas vivas, em 1958, livro com o qual ganhou o Prêmio Sagol. Lara também foi vencedora do Prêmio Açorianos em outro ano. Com Dividendos do tempo, conquistou a premiação em 1996. O livro vencedor da categoria poesia em 2003 é constituído de poemas extraídos de sua obra total, desde 1957 até 1997. A seleção foi elaborada pelo professor Volnyr Santos. No texto de apresentação do livro, Santos explica que procurou explicitar não só o significado do texto, e seu valor formal, além disso, buscou dar relevância ao impacto de reflexão, o impacto pessoal, que o texto de Lara faz surgir. Abaixo, um poema da antologia: 

CELAS – 1

Viajo entre túneis de sono
como un cão vadio
à procura do dono. 

Viajo em barcos fastasma 
onde o tempo retrocede em busca
da alma. 

Viajo consultando arquivos
e a memória ilumina rostos
redivivos.

Viajo procurando portos
e me encontro no país 
dos mortos. 

Laura de Lemos é certamente uma poeta de expressão única que ainda tem muito a contribuir para seus leitores, e por isso, merece mais da nossa atenção. A poeta faleceu em 2010, no Rio de Janeiro, deixando em torno de 12 obras. Por essa contribuição, no ano de 1985, a prefeitura municipal de Porto Alegre a concedeu o Diploma de Mérito Cultural.

Nenhum comentário:

Postar um comentário