quinta-feira, 6 de outubro de 2011

A poesia volta ao Nobel

E depois de 15 anos o prêmio Nobel de Literatura volta a ser concedido a um poeta. Tomas Tranströmer é seu nome. O anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira (como você pôde acompanhar pelo próprio blog da Coordenação). Segundo a Academia Sueca, Tranströmer foi agraciado com o prêmio "porque nos dá, através das suas imagens condensadas e translúcidas, novas formas de acessarmos a realidade".

Tranströmer nasceu em Estocolmo, em 1931. Atualmente, é o poeta de origem sueca mais traduzido em todo mundo. Seu pai espiritual é o poeta norte-americano T.S. Eliot, de cujo livro Quatro Quartetos uma vez disse ser seu "pão de todos os dias, que mastigo deliciosamente entre os dentes". Em 1990, Tranströmer sofreu um derrame que ocasionou uma paralisia em metade de seu corpo. No momento presente, vive numa ilha longínqua, numa espécie de exílio voluntário.

A poesia de Tranströmer permanece inédita no Brasil, mas você pode ler quatro exemplos abaixo, traduzidos para o português pelo poeta João Luís Barreto Guimarães:

HISTÓRIAS DE MARINHEIROS

Há dias de inverno sem neve em que o mar é parente
de zonas montanhosas, encolhido sob plumagem cinza,
azul só por um minuto, longas horas com ondas quais pálidos
linces, buscando em vão sustento nas pedras de à beira-mar.

Em dias como estes saem do mar restos de naufrágios em busca
de seus proprietários, sentados no bulício da cidade, e afogadas
tripulações vêm a terra, más ténues que fumo de cachimbo.

(No Norte andam os verdadeiros linces, com garras afiadas
e olhos sonhadores. No Norte, onde o dia
vive numa mina, de dia e de noite.

Ali, onde o único sobrevivente pode estar
junto ao forno da Aurora Boreal escutando
a música dos mortos de frio).

(1954)

A ÁRVORE E A NUVEM

Uma árvore anda de aqui para ali sob a chuva,
com pressa, ante nós, derramando-se na cinza.
Leva um recado. Da chuva arranca vida
como um melro ante um jardim de fruta.

Quando a chuva cessa, detém-se a árvore.
Vislumbramo-la direita, quieta em noites claras,
à espera, como nós, do instante
em que flocos de neve floresçam no espaço.

(1962)


DESDE A MONTANHA

Estou na montanha e vejo a enseada.
Os barcos descansam sobre a superfície do verão.
«Somos sonâmbulos. Luas vagabundas.»
Isso dizem as velas brancas.

«Deslizamos por uma casa adormecida.
Abrimos as portas lentamente.
Assomamo-nos à liberdade.»
Isso dizem as velas brancas.

Um dia vi navegar os desejos do mundo.
Todos, no mesmo rumo – uma só frota.
«Agora estamos dispersos. Séquito de ninguém.»
Isso dizem as velas brancas.

(1962)

PÁSSAROS MATINAIS

Desperto o automóvel
que tem o pára-brisas coberto de pólen.
Coloco os óculos de sol.
O canto dos pássaros escurece.

Enquanto isso outro homem compra um diário
na estação de comboio
junto a um grande vagão de carga
completamente vermelho de ferrugem
que cintila ao sol.

Não há vazios por aqui.

Cruza o calor da primavera um corredor frio
por onde alguém entra depressa
e conta que como foi caluniado
até na Direcção.

Por uma parte de trás da paisagem
chega a gralha
negra e branca. Pássaro agoirento.
E o melro que se move em todas as direcções
até que tudo seja um desenho a carvão,
salvo a roupa branca na corda de estender:
um coro da Palestina:

Não há vazios por aqui.

É fantástico sentir como cresce o meu poema
enquanto me vou encolhendo
Cresce, ocupa o meu lugar.

Desloca-me.
Expulsa-me do ninho.
O poema está pronto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário