terça-feira, 25 de outubro de 2011

Pablo Picasso, autor do Quixote


Há exatamente 130 anos, nascia Pablo Picasso. E, bem, precisa dizer mais alguma coisa? Você já sabe — ou deveria saber — quem ele é e também já deve reconhecer sua importância para, sei lá, a humanidade como um todo (caso não saiba, este site é um bom começo). Mas o que pouca gente sabe é que o espanhol sempre esteve muito ligado à literatura.

No começo de sua carreira, Picasso teve uma relação bastante estreita com a cena literária da Paris dos anos 20, especialmente quando fez amizade com o poeta Max Jacob e, mais tarde, com a escritora Gertrude Stein. Ela foi uma das primeiras entusiastas de sua obra, funcionando como uma espécie de mecenas e conselheira particular, comprando seus trabalhos, opinando na produção deles e exibindo-os em seu salon. Um relato dessa fase pode ser encontrado justamente num livro de Stein, A Autobiografia de Alice B. Toklas (lançado há algum tempo pela L&PM e reeditado recentemente pela Cosac&Naify).  

Stein chegou até mesmo a dedicar um poema ao pintor, chamado If I Told Him: A Completed Portrait of Picasso (publicado em português na revista Modo de Usar, com tradução de Augusto de Campos). Vinte anos antes, ele havia retratado-a, no que seria talvez a imagem mais associada ao nome da escritora.
Gertrude Stein, 1905-6. Acervo do Metropolitan Museum of Art.
Mesmo com seu tom sóbrio e realista (oposto do cubismo pelo qual Picasso é mais conhecido), o quadro agradou os dois envolvidos. Picasso disse, e é citado em A Autobiografia: "Todos dizem que ela não se parece com o quadro, mas isso não faz diferença. Ela ficará parecida". Já Stein, além de ter escrito o poema acima mencionado, teve sua escrita profundamente influenciada pelo tema da semelhança e do espelhismo.

O teatro também não passou incólume pela influência de Picasso. Publicou três peças: Les Quatre Petites Filles, L'Enterrement du Comte D'Orgaz e (a única com edição brasileira) O Desejo Pego pelo Rabo. Escrito em 1941, um ano difícil para o pintor por causa da ascenção do nazismo em solo francês, O Desejo não chegou a ser encenado, mas teve uma leitura pública bastante famosa ("badalada" seria o termo usado hoje), da qual participaram os principais intelectuais da época e cujos únicos registros são as duas fotos abaixo.
De pé, da esquerda à direita: Jacques Lacan, Cécile Eluard, Pierre Reverdy, Louise Leiris, Zanie Aubier, Picasso, Valentine Hugo, Simone de Beauvoir. Sentados: Jean Paul Sartre, Albert Camus, Michel Leiris, Jean Aubier e Kazbek, o cão de Picasso.

Picasso também tentou a sorte com a poesia. Em razão de uma crise ocorrida na década de 30, ele deixou de lado os pincéis e passou a escrever em profusão. O resultado foram mais de 400 poemas, nos quais Picasso exercita e amplia seus já conhecidos poderes de descrição e dramaticidade. Encontramos o exemplo abaixo (que, de certa forma, prefigura o tema de La Guernica) no blog do escritor português J. T. Parreira:
Gritos de meninos gritos de mulheres gritos de
pássaros gritos de flores gritos de madeiras e
de pedras gritos de ladrilhos gritos de
móveis de camas de cadeiras de cortinas de
caçarolas de gatos e de papéis gritos de aromas
que se arranham gritos de fumo…
15-18 de Junho de 1937. Tradução de J.T. Parreira.
Para finalizar, voltemos ao título. Em agosto de 1955, Picasso realizou uma pequena obra-prima. Afastando-se do cubismo e dos períodos rosa e azul que o consagraram, ele tomou como base o mais famoso romance em língua castelhana para fazer uma ilustração. A ilustração, diga-se. Abaixo, Don Quixote, por Pablo Picasso:

Publicado no nº 518 da Les Lettres Françaises, por motivo do 350º aniversário de publicação da primeira parte do romance.

Nenhum comentário:

Postar um comentário