segunda-feira, 2 de maio de 2011

+ que Prosa entrevista Antônio Xerxenesky

Damos sequência a mais uma rodada de + que Prosa, conferindo entrevista com Antônio Xerxenesky.

Formado em Letras, Antônio Xerxenesky é autor do romance Areia nos dentes. Já publicou narrativas curtas em antologias como e no momento finaliza o volume de contos Ficção de PolpaA página assombrada por fantasmas, que será lançado pela Editora Rocco em 2011. Atua como editor na Não Editora, onde organiza a revista online de crítica literária Cadernos de Não-Ficção.


CLL – Qual o valor do livro na atualidade?
Antônio Xerxenesky – O livro representa um nicho que está perdendo espaço para novas mídias. Estamos passando por uma mudança de paradigma onde uma forma dominante de cultura está sendo gradualmente substituída por outras mais atraentes. Mas o livro continua e continuará tendo seu lugar de prestígio em nossas estantes.

CLL – Existe um denominador comum entre os novos escritores brasileiros?
Antônio – Não. A produção brasileira é completamente incomum e plural. Pode-se muito bem produzir um romance aos moldes do século 19 como uma narrativa moderna e inovadora.

CLL – Como conciliar a função de editor com a de escritor?
Antônio – É muito fácil. Na verdade a função de editor me auxilia como escritor. Um editor é um leitor especializado. Trabalhar com isso me obriga a ler cada vez mais, o que contribui diretamente para minha atuação como escritor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário