quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

130 anos sem Fiódor Dostoiévski

Em 9 de fevereiro de 1881 morria em São Pestesburgo um dos maiores gigantes da literatura mundial Além da nobreza de seus temas, o autor tornou-se notável pela criação de uma nova técnica narrativa, o chamado discurso indireto livre. Nos livros de Dostoiévski os personagens falam com voz própria e conversam sem necessidade de marcas como aspas ou travessões; esta polifonia confere à sua literatura o status de uma narrativa viva. Como afirma Antonio Barros, professor de Teoria da Literatura da Ufrgs, “é como se cada personagem e cada ideia gozassem de ‘vida própria’, constituindo, em vez de um títere na mão do autor, um verdadeiro palco de dramas, pensamentos, ilusões e culpas”.
Em entrevista a Junio Lerner, Clarice Lispector apontou a lembrança de sua primeira leitura de Os Irmãos Karavazóv dizendo: “Foi ali que pela primeira vez eu li a verdadeira humanidade”.
Os personagens de Dostoiéski são em sua maioria homens que convivem com a pobreza e a falta de recursos da Rússia czarista. Lutam contra o quadro social que lhes oprime e também contra suas próprias mentes, obsessivas e neuróticas. “O autor russo é capaz de nos revelar, a despeito de sua própria fé, a face mais apavorante do mal, do pecado, da degradação moral. Não por acaso, Dostoiévski influenciou a filosofia de Nietzsche e a teoria psicanalítica de Freud”, complementa Antonio Barros.
No Brasil, desde 2001 a Editora 34 vem lançando excelentes volumes do escritor vertidas diretamente do russo por tradutores como Paulo Bezerra e Boris Schnaiderman.
Para ouvir: Em 1972 Jorge Ben lançou em seu disco Ben a canção As Rosas Eram Todas Amarelas onde faz menção ao “poeta da mitologia contemporânea” e cita o nome de várias obras do autor russo. Resta saber, Jorge Ben leu mesmo todas as obras ou só olhou suas lombadas na estante? Acesse: http://www.youtube.com/watch?v=wiJbjnhX07E

Um comentário:

  1. Descobri Dostoiévski em uma consulta de urologista, no qual me recomendou o autor.
    Comecei com "O Jogador" e pretendo agora ler "Crime e Castigo"

    Abraço!

    ResponderExcluir