sexta-feira, 2 de julho de 2010

Currículo dos Palestrantes

Pessoal , segue para vocês, um breve currículos de alguns palestrantes do 5º Festival de Inverno.


Paulo Visentini: Professor de Relações Internacionais da UFRGS. Pós-doutorado em Relações Internacionais pela London School of Economics, Doutor em História Econômica pela USP e Mestre em Ciência Política pela UFRGS. Coordena o Centro de Estudos Brasil-África do Sul. Consultor do Ministério das Relações Exteriores. Sua especialidade: História Mundial Contemporânea, Relações Internacionais Contemporâneas e Política Externa Brasileira.



Paulo Gomes: Paulo César Ribeiro Gomes é doutor sanduíche em Artes Visuais pela UFRGS e pela Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales . Desenvolve pesquisas em poéticas visuais e em História e Crítica da Arte no RS. Artista visual e curador independente, é professor na UFSM e professor-adjunto na UFRGS.





Voltaire Schilling: Professor, palestrante e conferencistas, os interesses de Voltaire se concentram na área da história das idéias, dedicando grande parte da sua atividade intelectual a escrever artigos, editar livros e polígrafos. Ex-diretor do Memorial do RS, pelo qual publicou mais de 50 mil exemplares do Cadernos de História do Memorial.






Esther Hamburger: Professora livre docente da USP, PhD em Antropologia pela Universidade de Chicago, pós-doutorado na Universidade do Texas. É atualmente Chefe do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da ECA-USP. É crítica e ensaísta, autora do livro O Brasil Antenado: A Sociedade da Novela.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Os textos de Voltaire Schilling sobre a URSS e Stalin são desprovidos do menor rigor metodológico. Restringem-se à mera repetição da versão hegemônica estabelecida durante a Guerra Fria a partir do livro "O Grande Terror" de Robert Conquest, britânico radicado nos EUA, agente da CIA e proprietário de um tabloide sensacionalista. O referido palestrante e autor apenas depõe contra qualidade do ensino ministrado pelas instituições acadêmicas do país, além comprovar e ratificar a posição do Brasil como penúltimo colocado no ranking mundial em qualidade de educação. Os seus textos demonstram que a única "excelência" das instituições acadêmicas do Brasil é a de exercerem com fidelidade canina seu papel histórico de reprodutoras da ideologia dominante, constituindo-se numa corporação em que prevalece a mera titulação em prejuízo da competência científica.

    Paulo Oisiovici.

    ResponderExcluir